Extranet

 

Biblioteca ambulante, poesia na Educação de Jovens e Adultos (EJA) e contação de histórias são apenas três de uma série de práticas leitoras desenvolvidas nas bibliotecas de unidades escolares da Rede Municipal. A seleção destas boas práticas leitoras foi apresentada nesta quinta-feira (17/11), durante a programação da Secretaria Municipal da Educação (SME) na 14ª Bienal Internacional do Livro do Ceará, que ocorre no Centro de Eventos. Além dos relatos de experiências, que terá um segundo momento nesta sexta-feira (18/11), houve bate-papo com professores escritores da Rede Municipal.

Por acreditar que ler dá asas à imaginação, a professora Ana Cristina Rodrigues Mendonça, lotada na biblioteca da Escola Municipal Edith Braga, na Aerolândia (Distrito 6), desenvolve o projeto poesia na EJA IV, que alia a leitura ao gênero literário. Educadora atuante há 19 anos com o público de jovens e adultos, Cristina diz que a poesia foi uma escolha estratégica: “a poesia tem o poder de nos encantar. A ideia veio para proporcionar isso aos alunos da EJA, que precisam ser motivados e estimulados a continuar os estudos. Este é um público diferente, muitos trabalham o dia todo antes de chegar à escola”.

As atividades do projeto consistem em um misto de roda de leitura e de conversa. O objetivo é fazer com que os alunos da EJA conheçam mais sobre poesia e autores brasileiros. “O trabalho da biblioteca ajuda o aluno a se apropriar da leitura para que ele veja o hábito de ler como algo importante. Gosto muito de trabalhar com a EJA e de lidar com este público, a gente se envolve com as vidas deles. É um trabalho desenvolvido para cativar o estudante também”, considera.

Uma das alunas participantes do projeto poesia na EJA é Vanúbia de Sousa, de 50 anos. Ela estava na plateia durante a apresentação da professora Cristina e diz se sentir orgulhosa de ver a valorização do trabalho da escola. Vanúbia, que também é manipuladora de alimentos da escola, voltou a estudar depois de mais de 30 anos sem entrar em uma sala de aula. “Morava no interior e era difícil estudar à época. Este ano concluo o Ensino Fundamental e já reservei vaga na escola para continuar o Ensino Médio. Lembro que tive todo apoio dos professores e da diretora da escola para voltar a estudar”, recorda.

A poesia tem um cantinho especial no coração de Vanúbia, que diz ter prazer em escrever versos em um caderno que guarda com carinho. O projeto poesia na EJA veio para estimular ainda mais o gosto pela escrita e pelo gênero literário. Para ela, a escola é uma segunda família. "Por meio da poesia ‘Pedra no Caminho’, de Carlos Drummond de Andrade, resolvi fazer da pedra no meu caminho o alicerce melhor para minha vida. A poesia me estimulou. O projeto me incentivou a ter mais vontade de escrever poemas”, confessa a aluna, que quis compartilhar um de seus poemas escritos este ano:

“Tão belas são as flores
umas enfeitam a vida, outras enfeitam a morte
A vida de quem ama, a morte de quem sofre
Aproveita você que hoje está vivo
E ofereça a rosa para quem você ama”
(poema cedido pela aluna)

Outra ação apresentada nesta quinta-feira (17/11) foi o projeto biblioteca ambulante, da professora Shirley Adriane Souza de Almeida, da Escola Municipal Deputado Gerôncio Bezerra (Distrito 3). A iniciativa nasceu do desejo da professora de apoio à biblioteca e de proporcionar às crianças o acesso aos livros e à leitura. Shirley explica que o projeto teve como atividades a contação de histórias e o empréstimo de livros para as crianças.

Rede Municipal na Bienal
Também na programação da Rede Municipal na Bienal houve apresentações de educadores do projeto "Professor Autor: Fazendo História... Trocando Figurinhas" 2022, em rodas de conversa sobre trabalhos que abordam o fortalecimento da leitura em salas de aula. Nesta sexta-feira (18/11), haverá apresentações do II Colóquio da Educação de Fortaleza com trabalhos de professores da Rede Municipal que estão nos programas de mestrado e doutorado de universidades parceiras, do Programa Observatório de Fortaleza.

Até o próximo domingo (20/11), último dia de evento, a SME está também com estande, localizado na feira de livros. O espaço da SME é interativo e apresenta a Rede Municipal de Ensino no contexto da leitura. Os alunos e visitantes podem ler livros, brincar, consultar publicações da Rede e demais informações das escolas. Ao todo, cerca de 2 mil alunos da Rede Municipal vão visitar a Bienal.