Imprimir


Nove estudantes da Rede Municipal de Ensino receberam óculos de grau, nesta terça-feira (28/06), por meio de ação da Secretaria Municipal da Educação (SME), em parceria com as Óticas Visão. O evento de entrega das órteses oculares foi realizado na Academia do Professor Darcy Ribeiro e contou com a presença do secretário adjunto Jefferson Maia.

Identificados no ato da matrícula, os alunos contemplados passaram por etapas de diagnóstico com médicos especialistas, por intermédio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS). Como conclusão deste processo de mapeamento e consultas, pontua o secretário Jefferson Maia, a solenidade teve o papel de evidenciar o sucesso e a continuidade da ação.

"Este evento é muito importante porque estes alunos são os pioneiros de um grande mapeamento feito com responsabilidade por uma rede bem articulada. Neste momento, temos mais alunos fazendo consultas para posterior recebimento dos óculos. Esta é uma questão de saúde, de garantia de direitos. A escola, hoje, não é um espaço só para ensinar português, matemática, ciências... É um espaço de cidadania e de garantir atendimentos como este", defende Jefferson.

Assis Cavalcante, CEO das Óticas Visão, reforça a intenção de dar seguimento à parceria, cujo propósito é garantir a melhoria da aprendizagem de crianças e jovens: “Disponibilizamos 100 óculos sob demanda. Os materiais entregues são de primeira linha, pois o objetivo do nosso programa Visão Solidária, promovido em parceria com a Rede Municipal, é ajudar as crianças a fazerem boas leituras, terem bom aproveitamento na sala de aula e se formarem cidadãos".


        Os irmãos Lorenzo e Sophia Galvão, da Escola Municipal Francisco Silva Cavalcante, foram contemplados pela ação da Rede de Ensino

No ato de entrega dos óculos, a mãe Antônia Galvão comemorou em dose dupla. Estudantes do 6° ano da Escola Municipal Francisco Silva Cavalcante, no bairro Jardim Iracema (Distrito 1), os filhos gêmeos Lorenzo e Sophia Galvão receberam as lentes que, segundo ela, serão utilizadas para tornarem nítido um horizonte de muitos conhecimentos.

“Eu estou muito feliz e agradeço demais por este momento que vai garantir um futuro de aprendizados para eles. Eles têm diagnóstico de baixa visão devido ao estrabismo, não conseguiam ver a lousa, precisavam sempre estar muito perto", conta, concluindo com o valor orçado em consulta particular antes da iniciativa da Rede de Ensino: "os óculos deles iam custar cerca de R$ 2 mil se eu fosse pagar. Seria difícil, pois sou massoterapeuta e meu apurado caiu bastante com a pandemia".