Extranet

USUÁRIO:

Sair

 

SME realiza formação sobre autismo com profissionais da Educação de Jovens e Adultos

 

A Secretaria Municipal da Educação (SME) realizou, por meio da Coordenadoria de Ensino Fundamental e do Núcleo de Educação Inclusiva e Diversidade, na última segunda-feira (21/05), um encontro formativo que tratou sobre o tema "Autismo – Caracterização e Educação Inclusiva". O evento aconteceu na Assembleia Legislativa e contou com a participação dos professores da Educação de Jovens e Adultos (EJA), coordenadores, gestores escolares e outros profissionais da Rede Municipal de Ensino de Fortaleza. Esta ação faz parte da agenda de palestras de formação planejadas do Núcleo de Educação Inclusiva e Diversidade.

A supervisora do Núcleo de Educação Inclusiva e Diversidade da SME, Vivian Salmito, explica que, em 2018, a formação preza por privilegiar todos os segmentos da Rede Municipal de Educação. “Estamos organizando formações no formato de palestras, cursos presenciais e à distância para professores das Sala de Recurso Multifuncional (SRM), da educação infantil, ensino fundamental anos iniciais e finais, Educação de Jovens e Adultos (EJA), e profissionais de apoio. Nosso objetivo é oferecer subsídio teórico e informações relevantes no contexto da educação inclusiva”, explica.

Para a supervisora do Núcleo da Educação de Jovens e Adultos, Karla Barata, é fundamental trazer encontros formativos com foco no eixo temático do Autismo para os professores atuantes no EJA, tendo em vista o crescimento nos índices de estudantes com Autismo neste segmento. “O objetivo da Coordenadoria do Ensino Fundamental é atender a especificidade de cada estudante, contribuindo assim com a prática docente para que todos tenham acesso ao conhecimento de uma forma mais inclusiva”, diz.

Para o Professor Wilson Cândido Braga, a Inclusão não é somente o favorecimento de situações que garantam o direito de acesso às pessoas com deficiência, mas é também proporcionar oportunidade de acesso, permanência e possibilidades de sucesso. “O que a gente precisa é ampliar esse leque de abrangência do movimento inclusivo que não se destina apenas às pessoas com deficiência, mas a todos aqueles que na sua diversidade, de alguma forma ficaram à margem. E hoje trazemos ao espaço escolar”, ressalta.

A professora Maria Leani Dantas Freitas, da Escola São José, Distrito 3, ressalta que o encontro com o professor Wilson, “Vimos que, no decorrer dos tempos, as pesquisas sobre autismo foram avançando e ajudando pais e educadores a lidar com as crianças, jovens e adultos com TEA. Também foi abordado as características, tipos, incidência, dentre outros aspectos que constituem o autismo. Considero  necessário que outros encontros como estes aconteçam para que possamos refletir nosso fazer pedagógico a partir das teorias”. Comentou a professora que atua na turma de EJA I.