Extranet

 

Canal "Lá na Minha Escola"

Atividades voltadas à escrita e à leitura marca o Dia da Consciência Negra na EM Marieta Guedes

 
A prática da leitura expande o conhecimento do estudante ao lhe proporcionar uma nova visão sobre diversos assuntos. Em comemoração ao Dia da Consciência Negra, celebrado no último dia 20 de novembro, estudantes do 9º ano, da EM Marieta Guedes, no Novo Mondubim (Distrito 5), orientados pela professora Amanda Duarte, produziram redações sobre a escravidão no Brasil: “Escrevendo em linhas retas histórias tortuosas”, foi o tema. A partir dos textos selecionados, formou-se uma coletânea de textos que ficará disponível para leitura na biblioteca da escola. Cada estudante participante recebeu um exemplar da produção. 
 
Além da coletânea, foram desenvolvidas no mês de novembro oficinas em todas as turmas da escola voltadas para o estudo, reflexão e produção sobre as diversas formas de resistência negra e indígena na sociedade brasileira.
 
A ação faz parte da política de incentivo à participação de estudantes e professores da Rede Municipal em projetos que estimulam a prática da leitura, o desenvolvimento de cidadãos preparados para enfrentar aspectos da vida cotidiana e a conscientização sobre temas variados, executada pela d Secretaria Municipal da Educação (SME). Neste contexto, em 2019, foi lançada a Campanha “Leitura para a vida, com vida”, uma ação desenvolvida em parceria com as escolas municipais que visa o contato dos estudantes com vários tipos de textos, para todos os gostos, levando o encantamento do mundo da leitura e a formação do estudante-leitor. A Campanha prevê ampla divulgação mensal das ações/projetos de leitura que acontecem nas escolas, além de fortalecer o contato do estudante com o universo literário
 
Consciência Negra
O Dia da Consciência Negra é uma data significativa, pois traz à luz questões importantes para o debate sobre o racismo e a desigualdade social. A data, que marca a morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, é símbolo da resistência contra a escravidão e relembra a luta dos africanos escravizados no passado, reforçando a importância da realização de